Pacientes agonizam após suicídio de dono da Samcil

Compartilhe este artigo!

Cerca de 200 mil conveniados não conseguem marcar consultas; principal hospital do plano, o Panamericano, em São Paulo, fechou as portas

panamericano1 Pacientes agonizam após suicídio de dono da Samcil Duas palavras resumem os serviços prestados neste momento pela Samcil, um dos planos de saúde mais antigos do País: descaso e negligência. Desde o último dia 4, quando o presidente do grupo, Luiz Roberto Silveira Pinto, de 74 anos, matou-se com um tiro no peito em São Paulo, os 198.721 clientes de um plano que já chegou a contabilizar mais de 700 mil agonizam junto com a operadora (leia mais sobre o suicídio).

Há dificuldades para marcar exames e passar por consultas. Laboratórios e médicos credenciados pararam de atender o plano por falta de pagamento pelos serviços. A empresa enfrenta problemas financeiros e, desde o início do ano, está sob intervenção branca da ANS (Agência Nacional de Saúde). Entre janeiro e fevereiro, a operadora perdeu cerca de 45 mil segurados. Um dia após a morte do empresário, na unidade praça da República (região central de São Paulo), clientes que tentavam reclamar recebiam um número de telefone, que diziam não funcionar. O atendimento pessoal havia sido cortado.

Em outras duas unidades da organização na terça-feira (12): os hospitais Panamericano, onde Silveira Pinto foi encontrado morto, e São Leopoldo. Quem chega no Pronto Socorro do Panamericano dá com a cara na porta, trancada desde a última sexta-feira. No local, um banner recomenda aos pacientes que se dirijam às unidades Vasco da Gama, no Belenzinho, ou ao Hospital e Maternidade São Leopoldo, em Santo Amaro. Segundo taxistas instalados num ponto em frente à unidade, as portas do prédio baixaram, na semana passada, sem mais explicações e não há, até o momento, qualquer previsão de que o hospital volte a funcionar. “Ontem [segunda-feira] vieram uns 100 [pacientes] tentando atendimento aqui, mas não tinha mais ninguém. Na sexta, eles já transferiram quem estava internado”, relatou o taxista Fábio Barreto.

Na manhã de terça-feira (12), o centro médico estava vazio e os consultórios entregues às moscas. Não havia médicos e nenhuma alma de jaleco transitava pelos corredores. Funcionários do hospital empacotavam equipamentos para bater em retirada. Até o dono da lanchonete do hospital estava encaixotando suas coisas. Um recepcionista da unidade forneceu à repórter o telefone da assessoria de imprensa da Samcil e não quis fornecer mais detalhes da situação.

Instalado no Alto de Pinheiros, área residencial da classe média alta paulistana, o Hospital Panamericano atende aos conveniados de um dos planos de saúde mais populares do Brasil. Agora, a alternativa para esta clientela é seguir para o hospital da rede “mais próximo”: o São Leopoldo, em Santo Amaro, zona sul da capital paulista. Para isso, tem de se valer de dois ônibus, gastando 1h30. Se optar por um táxi, a viagem é mais curta, mas o cidadão desembolsa, em média, R$ 40 pela viagem.

No São Leopoldo, a realidade é ainda mais dolorida para quem tem pressa. Na sala de espera das internações, um banner gigante comunica que desde 6 de abril, “por motivos de ordem técnica”, estão suspensos por prazo indeterminado o atendimento de nada menos do que 22 planos de saúde.

Após 20 minutos de espera, a repórter é atendida por Maurício Bianchi, gerente da unidade, que se apressa em dizer “não sei nada a respeito do Panamericano”, antes que fosse informado o motivo da visita. Questionado sobre o fluxo de pacientes, o gerente afirma que tudo caminha normalmente, que nada mudou desde o fechamento da unidade de Alto de Pinheiros e se nega veementemente a responder demais questões. Solicitamos um contato da diretoria do hospital, mas o funcionário afirma que ninguém está disponível.

No Pronto Socorro, uma fila de 50 pacientes espera para ser atendida por dois médicos, clínicos gerais. Uma recepcionista informa que o tempo de espera é de duas horas. A auxiliar administrativa Vanessa Guedes Pinheiro, de 28 anos, deixa o hospital de cadeira de rodas reclamando para a irmã que não atendem mais o seu convênio. “Estou com um problema nos rins, faz duas semanas, sinto muita dor, mas aqui é esse descaso no atendimento. Me mandaram procurar o hospital da Intermédica, na [Avenida] João Dias”, conta.

O jovem Anderson Ricardo aguarda do lado de fora o atendimento da irmã Adriane, de 31, que sofre de Erisipela – processo infeccioso cutâneo causado por uma bactéria que se propaga pelos vasos linfáticos. Ela está em busca de atendimento desde segunda-feira (11). “Ontem (11), fomos ao Panamericano e mandaram a gente vir aqui. Mas aqui não tem ortopedista. No plano dela [Samcil], falava que este hospital também atendia a especialidade, mas chegando aqui disseram que era só com agendamento e demora de dois a três meses para surgir uma vaga”, disse.

Zilda Aparecida Giraldo, de 47, diz que sempre ouviu falar mal da unidade São Leopoldo. “Aqui eu não volto mais”. Acompanhando a mãe, Fidelma Giraldo, de 70, que tem dificuldade em se locomover por problemas no nervo ciático, ela reclama que está há duas horas e meia na sala de espera sem atendimento. “Só vejo gente saindo de lá de dentro xingando. Nem medicação mais estão aplicando”, conta. Zilda e a mãe são clientes da Samcil há cerca de um ano e já colecionam uma série de problemas com a operadora. “Uma vez, minha mãe precisou passar por um cateterismo e o hospital [Panamericano] estava com o cateter quebrado. Foi uma novela. Primeiro, tentamos marcar o exame, ligávamos no hospital e ninguém atendia. Depois o pessoal do convênio falou que não aceitava o relatório do médico que indicou o exame. Mas o médico era credenciado deles!”, indigna-se.

Esta foi a terceira tentativa de Zilda e Fidelma, residentes em São Bernardo do Campo, na Região do ABC. Antes de recorrer a Santo Amaro, as duas tentaram o Hospital e Maternidade Mauá, fechado desde o dia 6, e o Hospital São Lucas, de Diadema, o qual informou à cliente “não estar atendendo no momento”. “Mas, nos panfletos da Samcil, diz que eles estão atendendo nessas unidades, só que você chega lá e está tudo fechado. Vou cancelar esse plano, Samcil eu não quero mais”.

Por Letícia Moreli ( Brasil 247)

 



This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

4 Responses to Pacientes agonizam após suicídio de dono da Samcil

  1. Claudio Alves - Administrador Hospitalar says:

    A Samcil era uma empresa com potencial, pena que esta falindo assim como vários hospitais nos últimos anos, como foi dito na reportagem de hoje 18/04/2011 no Jornal Nacional da (REDE GLOBO), dizia que o principal motivo das falências de hospitais é a falta de Administradores competentes. Tenho muitos amigos Administradores Hospitalares que acabam migrando para outras áreas, ou realizando consultorias independentes porque geralmente quem esta no comando dos hospitais são médicos ou administradores de empresas, profissionais que não tem o conhecimento, qualificação e a visão de negócio de um administrador hospitalar. Se isso não mudar os prejudicados serão alem dos Adm. Hospitalares também os pacientes que sofrerão com administrações incapacitados, é como colocar um avião nas mãos de um piloto de formula 1 para pilotar o resultado não será agradável. Quando os administradores hospitalares tiverem seu espaço nos hospitais e clínicas aprovado por LEI, isso com certeza ira melhorar. Vamos aguardar nosso governo…. o SUS infelizmente também esta no mesmo caminho…

  2. Ana machado says:

    Boa tarde, preciso falar com você sobre a Samcil. Gostaria do contato de quem teve problema com o plano de saúde. É para uma matéria do SBT Brasil
    Desde já agradeço
    meu contato na redação 3687-3683
    Ana

  3. Miriam says:

    Por que Luis Roberto Silveira Pinto se matou de suicidio??Qual motivo??Responde p/ mim,por favor! Sinto muito!

    • admin says:

      Bom dia!

      Sra. Miriam, infelizmente se agente for parar para pensar chegaremos a conclusão de que ele se precipitou por mais que a divida que a Samcil tinha fosse muito grande com as vendas dos bens dele ele conseguiria pagar sem problemas nenhum, porem vamos pensar da seguinte forma, com os problemas enfrentados pela Samcil quantas pessoas sem atendimento tiveram complicação em sua saúde ou até mesmo chegaram ao óbito, agora imagina a senhora recebendo a culpa por muitas pessoas mortas… Como a senhor se sentiria perante isso? Infelizmente o psicológico dele não agüentou e fez com que tirasse a própria vida.

      Essa e a matéria que fala sobre a morte dele!

      http://www.terceira-idade.org/morre-em-sao-paulo-o-fundador-da-samcil-planos-de-saude

      Um grande abraço!

Leave a Reply to Miriam Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>